A Happy House in a Black Planet: Introdução à Subcultura Gótica
Novos Artigos sobre a Subcultura Gótica

VÂNDALOS, GÓTICOS, BÁRBAROS E... OUTRAS FIGURAS DE LINGUAGEM

O frequente uso da palavra “vândalos” neste mês de Junho de 2013 me lembrou de uma outra forma de explicar a aplicação da palavra “Gótica” para nossa querida subcultura.

Os Vândalos foram uma tribo germânica que no século V conseguiu invadir Roma (em 455 DC). Como acontece com a maioria das cidades  invadidas em guerras (por qualquer nação), Roma também foi queimada, destruída, roubada e seus cidadãos sofreram todo tipo de agressão. 

Séculos depois essa ação destrutiva foi associada ao termo "Vândalos", com o significado de “fazer o que os vândalos fizeram em Roma”. Que afinal, é o que a maioria dos exércitos invasores fazia ou faz.

O termo “vandalismo” teria sido criado exatamente em 1794.

Os Vândalos nem existem mais, mas continuamos a usar o verbo “vandalizar” e o substantivo “vandalismo”. Da mesma forma que usamos o termo Gótico, mesmo que os Godos (outro povo da antiguidade) também não exista mais:

mas da mesma forma que aconteceu a atribuição do sentido “destruição insensata de obras de valor cultural” ao termo Vândalos, também foi atribuído, há muitos séculos, o sentido de “grosseiro, de mau gosto e exagerado” ao termo “Gótico”.

Especialmente para os “classissistas” do Renascimento que buscavam resgatar valores estéticos e filosóficos que atribuíam a antiguidade grego-romana, “exagero” era um defeito, e equilíbrio e objetividade, uma virtude.

Por isso as catedrais católicas construídas nos séculos anteriores ao Renascimento foram pejorativamente chamadas de “góticas”, pois seriam de “mau gosto”, ou “gosto de bárbaros”, associadas a Idade Média (aliás “Idade Média, noite de 1000 anos ou Idade das Trevas é outro caso semelhante de reinvenção política do passado, veja-se este texto). 

Porém, quando foram construídas, aquelas catedrais não eram camadas de “Góticas”. Vemos um caso parecido com o uso do termo “Vandalismo”: uma característica atribuída (seja verdadeira ou não) em algum momento a um povo se torna uma palavra que designa algo devido à opinião de alguém, ou a algum movimento, séculos depois.

Assim, não adianta estudar a história das antigas tribos “Vândalas” para entender o vandalismo atual, também não adianta estudar os Godos, Visigodos ou Ostrogodos para entender as origens ou razões da arquitetura “gótica” ou da “subcultura gótica”.

Simplesmente a relação entre as coisas é uma figura de linguagem (como metáfora ou metonímia) e não uma relação de causalidade!

Então, qual o nexo entre a subcultura Gótica e as Catedrais Góticas? Não está nos Godos nem na costrução das catedrais: um novo nexo e movimento de atribuição de sentido é atribuído no século XVIII . Nessa época em oposição aos ideais do Renascimento, surge a Literatura Gótica e outros movimentos que estão na raiz do Romantismo. Estes movimentos vão criar um discurso moderno que resignifica o termos “Gótico” como positivo, dentro de um contexto de idealização das catedrais “Góticas” (uma lógica do tipo: “- Se os Renascentistas achavam ruim, deve ser bom!”).

O gênero horror Gótico se torna sucesso de vendas no final do século XVIII e – talvez por isso- passa a ser considerado sub-literatura. Mas seus elementos influenciam fortemente a literatura do século XIX, tanto a Romântica quanto a Surrealista e pré-modernos. Na Inglaterra, se confunde com o período Vitoriano (retroativamente, acabamos estendo esse período para trás e para frente na memória).

Do século XVIII até hoje a forma como vemos horror, gótico, terror, etc se encontra praticamente imutável. Quando começa a se formar no final dos anos 1970 e começo dos anos 1980 uma subcultura urbana cujos membros adotam o nome de “Góticos”, isso pode ter surgido de uma piada ou trocadilho, mas se fixou por motivos de sentido mais amplos. O sentido é este que se mantém desde a passagem do século XVIII par ao XIX, acrescentado de muitos elementos do século XX. (sobre isso leia o nosso texto)

Assim, nós Góticos não temos nada  a ver com os Godos, da mesma que as catedrais Góticas não foram construídas pelos Godos e, com certeza, os vândalos em qualquer país do século XXI não descendem dos guerreiros da antiga tribo do norte da Europa que saqueou Roma no século V.

H. A. Kipper, junho de 2013

Mais detalhes sobre a "ARQUEOLOGIA" DOS USOS DO TERMO "GÓTICO".

mais textos sobre a subcultura Gótica e assuntos relacionados em:
http://www.gothicstation.com.br/subculturagotica.htm



referências históricas:
- A Critical Dictionary of the French Revolution- François Furet and Mona Ozouf- 1988
-Eric Hobsbawn- 1789-1848, A Era das Revoluções- 1978
-História Geral- Cláudio Vicentino- 2000
-Development and Character of Gothic Architecture- Charles Herbert Moore- 2003
-Medieval Architecture (Oxford History of Art) -Nicola Coldstream- 2002


 

 

Novos Artigos sobre a Subcultura Gótica
A Happy House in a Black Planet: Introdução à Subcultura Gótica